Visualizações

sábado, 24 de novembro de 2012

REFÉM

                                             

Te amo mesmo quando não sei porquê amo.
Te espero mesmo quando não sei se você vem.
Te quero mesmo sem saber que me queres também.
Não brigo contigo mesmo quando preciso,
sorrio sempre, mesmo sem ter um motivo.
Me desespero ao pensar num amanhã em que tu não estejas comigo.
Nos teus lábios encontro um abrigo,
seguro esconderijo.
Por que não consigo dizer-te o que tanto quero,
quando mais meu coração necessita falar-te?
Por que digo que não tenho pressa
quando minha necessidade é rápida para os teus braços?
Me acabo!
Porque nego minha carência dos teus afagos enquanto te olho sorrindo?
Olhares cruzados.
Há fogo contido.
Explosão contida é verdadeira delícia escondida.
Infinitos encontros mesmo através dos nossos desencontros.
Ou seriam infinitos desencontros através dos nossos encontros?
Continuo negando,
e você fingindo que me diz não.
Acreditamos nessa brincadeira de jogar sem razão.
Concordo com teus nãos,
e disfarço meus “sins”.
Enquanto eu puder te ter,
ainda que só em mim,
comigo te manterei
já que sou seu refém.
Refém do mim que habita em ti.
Refém do “ti” que habita em mim.
Já não sei quem sou,
me perdi em ti
e aqui sempre ficarei
mesmo quando te disser adeus.

Ana Cristina. 24/11/2012

Um comentário:

  1. Estou visitando blogs, foi asiim que encontrei o seu,Parabéns pelo seu otimo blog.
    Meu nome é Rodrigo Almeida

    PS. Se quiser seguir meu blog fique a vontade para que eu possa seguir o seu blog também.

    http://saladecinemagospel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir