Visualizações

sábado, 24 de novembro de 2012

REFÉM

                                             

Te amo mesmo quando não sei porquê amo.
Te espero mesmo quando não sei se você vem.
Te quero mesmo sem saber que me queres também.
Não brigo contigo mesmo quando preciso,
sorrio sempre, mesmo sem ter um motivo.
Me desespero ao pensar num amanhã em que tu não estejas comigo.
Nos teus lábios encontro um abrigo,
seguro esconderijo.
Por que não consigo dizer-te o que tanto quero,
quando mais meu coração necessita falar-te?
Por que digo que não tenho pressa
quando minha necessidade é rápida para os teus braços?
Me acabo!
Porque nego minha carência dos teus afagos enquanto te olho sorrindo?
Olhares cruzados.
Há fogo contido.
Explosão contida é verdadeira delícia escondida.
Infinitos encontros mesmo através dos nossos desencontros.
Ou seriam infinitos desencontros através dos nossos encontros?
Continuo negando,
e você fingindo que me diz não.
Acreditamos nessa brincadeira de jogar sem razão.
Concordo com teus nãos,
e disfarço meus “sins”.
Enquanto eu puder te ter,
ainda que só em mim,
comigo te manterei
já que sou seu refém.
Refém do mim que habita em ti.
Refém do “ti” que habita em mim.
Já não sei quem sou,
me perdi em ti
e aqui sempre ficarei
mesmo quando te disser adeus.

Ana Cristina. 24/11/2012

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

EU AMANHEÇO

A insonia e seus segredos invadem a noite logo cedo.
Pesadelos misturados a desejos e sonhos.
Delírios e desencantos.
Infortúnio, assombro.

O degelo das emoções congeladas, pedradas, pesadas,
me afogam em mágoas.
O cristalizado do ontem me paralisa no hoje,
como um fade out e seu implacável fim.

Me olho e não me reconheço.
Hoje só restam pó e cinzas.
Mas não sou nenhuma fênix.
Não aprendi a ressurgir das cinzas.
Não alimento nenhuma esperança.
Minhas pálpebras estão cansadas
de se banharem em lágrimas que escorrem pela minha face.

Notas de uma valsa triste, sem fim.
Perfume de jasmins.
Não quero deixar-me conhecer.
Prefiro esconder meu crônico adoecer.
Me ceda gotas de cura.
Alivie a minha dor.
Descanse o meu cansaço.

Me faça florescer como os lírios do campo.
Quero sorrir hortências com alegria e cores de violetas.
Mas o entardecer é triste.
Ainda que o céu me prometa estrelas,
o amanhã é tão incerto...

O futuro, um mistério.
Em nada se faz conhecer.
É secreto, eterno e finito
como um novo amanhecer.

Ana Cristina, 25/10/2012

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

ÉS

Sou o que sou
Como sou
quando sou
sou
Sou o que quero
quando posso
não espero
sou
sou o que dizem
ainda que não concorde
sou porque sou                                                   
sou um nome
sou sonho
um encanto
sou
sou tudo e nada
sou sempre
sou
sou meio
sou fim
sou até quando não quero ser
sou as marcas da vida
sou sabor
sou cor e água
sou fogo e mágoa
sou dor
mas também sei ser amor
sou flor e espinho
sou pássaro no ninho
sou
amor e perdão
sou as notas da canção que escrevo
emaranhadas ao coração
que desesperado
afirma quem és!

Ana Cristina, 04/10/2012

domingo, 23 de setembro de 2012

A FOTO DE AGORA

O retrato na parede já não é o mesmo
As músicas que escuto já não surtem o mesmo efeito
O passado passou.
O futuro, ainda não chegou.
O presente é o agora.
Para que me preocupar com o amanhã?


Vida incerta,
mas sempre certa do fim que um dia lhe espera,
Nossa única certeza é a morte.


Pinto quadros.
Uso esquadros.
Vejo luzes coloridas
que reluzem minha escrita.


Minha sina
é medida sem medida
para ser vivida.


Perco a noite,
perco o sono,
só não perco o encanto
do olhar que me encanta,
do retrato que quero ter.


Vivo enquanto viver.
Minha hora é agora,
meu motivo é você.


Ana Cristina, 23/09/2012

terça-feira, 4 de setembro de 2012

SEM...


Profundo é o respirar
do pesar do meu pensar.
Como é duro o caminhar
quando já não se sabe o que esperar da espera.

Insano viver
quando não se sabe porque.
Sem rumo,
sem prumo é o barco que navega sem vela.

Infinda espera,
chama que não queima,
não arde e não incendeia
a alma,
que anseia
pela vida que corre por entre os dedos.

Candelabro sem velas,
céu sem estrelas,
Horizonte sem lua
seria a vida sem o fôlego que a alimenta
e que traz à vida
o encanto muitas vezes profano
do viver meu viver.

Ana Cristina, 04/09/2012.

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

DISTÂNCIA


O chover da chuva
molha a rua
nua
crua
escura
tão sua...

Numa estrada invisível,
sensível
terrível
temível
"vencível"
tua.

Com o passar do tempo
sento
tento
aguento
invento
reinvento
a distância que separa
tu e eu

Ana Cristina, 20/08/2012

sábado, 21 de julho de 2012

ANÔNIMO



Moribundo
oriundo do nada
no mundo
poço fundo
rio raso
sem ter onde me agarrar.

Estrada sem rumo
"desestrelado" é o céu que me cobre!
Descobre em mim a vergonha
cegonha de um eco vazio.

Sem visão
meus pés não tocam o chão
o descaso e a indiferença
são meus amigos
Ingratos!

O desprezo e a irrelevância
me conhecem bem.

Invisível
imperceptível
sem nome
sem riso
assim me vês!

Não broto nem floresço...
Me esqueço de ser...

Até o pranto em mim secou!
Já não sei quem sou...
Meu nome?
esqueci!

Ana Cristina, 21/07/2012

segunda-feira, 2 de julho de 2012

PARA TODOS!



Nem sempre faço o que quero fazer
Nem sempre falo tudo o que penso
Nem sempre desejo aquilo que ganho
Nem sempre colho as flores que planto
Nem sempre tenho quem enxugue meu pranto
Nem sempre há uma nova chance
Nem sempre sabemos aproveitar a segunda chance
Nem sempre acerto mesmo tendo a intenção
Nem sempre somos reconhecidos pelo que fazemos ou como merecemos
Nem sempre recebo amor na mesma medida em que dou
Nem sempre se mora no coração de quem desejamos habitar
Nem sempre sonhamos enquanto dormimos
Nem sempre sabemos o caminho certo a seguir
Nem sempre temos certeza se existe mesmo esse caminho
Existe?
Nem sempre sabemos perdoar quem nos fere
Nem mesmo amando deixamos de ferir este alguém
Nem sempre é fácil caminhar sozinho
Nem sempre encontramos um bom amigo quando precisamos
Nem sempre a vida é fácil
Mas em algum momento ela nos cede momentos de alegria
Nos cabe aproveitar
Se errarmos,
podemos tentar novamente acertar
Podemos até novamente errar
Podemos não ter tudo como queríamos ter
Mas somos responsáveis por grande parte do muito que sonhamos
Nos cabe saber buscar
Nos cabe não desistir de sonhar
Nos cabe acreditar que amanhã podemos começar novamente
O amanhã é uma folha em branco
A caneta e a tinta somos nós
A escrita nos cabe...
O que você vai escrever na sua folha em branco de amanhã?
Se não foi bom hoje,
Pode ser amanhã...
Se for pra escrever nessa folha...
Que seja sempre o melhor da tua escrita
Ainda que nem tudo seja como se quer que seja
O importante é persistir no caminho
O importante é persistir na escrita...
Escreva...
Flores..
Amor...
plante mesmo na terra árida...
Um dia quem sabe a semente não brota
e a vida floresce!

Ana Cristina (02/07/2012)

sábado, 16 de junho de 2012

MAIS UMA LUTA!


Como uma ovelha em direção ao matadouro sou,
todo dia nessa selva de pedra,
matando um leão todo dia,
num caminho solitário,
de uma busca infinita,
por  meus sonhos sonhados,
Em minha vida que teima em viver.

Como uma ovelha em direção ao matadouro dou,
 minha cara a tapas,
mesmo com os olhos rasos d’água,
me sinto sem forças,
muitas vezes sem asas,
mas nunca me entrego,
espero!
Ainda insisto na esperança de um dia,
chegar ao fim do caminho
e encontrar flores,
amores,
sabores,
cores,
perfumes,
vislumbres.

Como uma ovelha em direção ao matadouro me sinto,
 muitas vezes perdido num caminho infindo,
que muitas vezes também
não tem o menor sentido,
Mas o sentido que busco,
não pertence aos outros,
pertence a mim,
somente a mim!

Como uma ovelha em direção ao matadouro clamo,
a Deus por socorro,
pois sei que um dia ele vem,
ah vem!
assim como sei ,
que se persevero o hoje
e o amanhã que virá também,
perseverarei sempre!

Como uma ovelha em direção ao matadouro,
me desvio dos lobos,
me desvio do mal,
me desvio de caminhos pedregosos,
por acreditar,
que um dia vou chegar
Aonde meu coração sonhou,
onde minha paz plaina
para encontrar a felicidade rara
tão buscada e desejada por esta ovelha que vos fala.

Sonhar e nunca parar, persistir até o final!


Ana Cristina, 17/06/2012

segunda-feira, 11 de junho de 2012

AMO VOCÊ!


Amo Você,
Amo Você,
Amo Você!

Amo Você,
Amo Você,
Quero Você!


O tempo passa devagar
Já nem sei por quanto tempo mais,
Nem tento entender.

A noite é muito longa,
Sempre te encontro nos meus sonhos,
Penso em você...


Amo Você,
Amo Você,
Amo Você!

Amo Você,
Amo Você,
Quero Você!

Te amar é como um sonho,
Sinto ternura enquanto proponho,
Estar com você!

Pensar no teu sorriso,
É o bem maior que guardo comigo
Espero você!

Amo Você,
Amo Você,
Amo Você!

Amo Você,
Amo Você,
Quero Você!

Ana Cristina, 12/06/12

Esse na verdade não é um poema e sim uma canção que fiz ano passado para o homem da minha vida, meu amado, meu amor, minha vida Diego Schaun. Eu te amo meu amor! Minha vida é você! Meu eterno namorado, meu amor! Te amo! Pra sempre te amo. Como você mesmo diz "Somos dois que são um". Sempre! ♥ ♥ ♥






domingo, 3 de junho de 2012

MEUS PROVÉRBIOS II



Se for para sorrir, que seja com a alegria sincera de uma criança.
Se for pra chorar, que seja com a alma.
Se for para viver, que seja com intensidade.
Se for para amar, que seja com entrega.
Se for para perdoar, que seja com verdade nas palavras e no coração.
Se for pra sentir que seja com todo o tato.
Se for pra ter esperança, que inexistam dúvidas.
Se for pra esquecer que seja esquecido de fato.
Se for para dividir que seja com renúncia.
Se for para estender a mão, que seja por amor a quem necessita.
Se for pra ter fé, que ela seja com toda tua força interna.
Se for pra ter Deus, que Ele seja o único.
Se for pra doar, que seja com desprendimento.
Se for pra morrer, que seja para deixar saudades das boas lembranças.
Se for pra existir, que seja pra sempre,
que independa do tempo,
que independa de tudo,
que apenas exista!


Ana Cristina, 03/06/2012.

quinta-feira, 17 de maio de 2012

"RE-SSINTO"

Sou uma lágrima perdida num oceano de emoções.
Eu sinto, "re-ssinto".
Sou a sombra do que um dia existiu.
Existo!

Sou gota de orvalho que escorre e evapora,
decolo no ar.
Sou grão de areia num infinito sem fim.
Te quero pra mim.

Sou as sobras do tempo esquecidas por si só.
Reinvento o que resta!
Sou pó
e vento,
argumento te amar.

Sou água e ar.
Penso até delirar!
Sou inverno e verão,
um porão de recordação.

Sou o pão que te alimenta
na vaidade de se achar.
Uma tormenta que tenta invadir o seu coração.
Imensidão de nunca poder te dizer não!

Sou folha a bailar no vento
movimento,
argumento perfeito do teu ressoar.

Sou estrela,
sou lua,
tua e nua.
Vagueio
e receio
se esse teu me amar
me ama por tudo que penso sonhar!




Ana Cristina, 18/05/2012

segunda-feira, 30 de abril de 2012

DÚVIDAS POR DUVIDAR?

Dúvidas, quem não tem?
Dúvidas, ache outro alguém!
Duvidar...

O que te convém?
Dúvidas...
Dúvidas que me consomem.
Dúvida, esqueça
meu nome.

Duvidar...
O que vou ganhar?
Duvidar...
Pra quê caminhar?
Não te quero comigo!

Duvidar...
Seria esse meu castigo?
Insisto, persisto,
duvido da vida...

Duvido e vivo,
mas morro um pouco a cada dia
nessa vida incerta,
onde tudo que me resta
duvida de minhas dúvidas,
duvida até de mim.
Duvidas?

Ana Cristina, 01/05/2012

quarta-feira, 25 de abril de 2012

PONTO DE ESPERANÇA

Caminho a passos largos
num compasso
descompasso.

O caminho é solitário,
me perco,
esqueço.

Vejo luzes incandescentes.
Perco o brilho.
Fosco brilho.
Perco o trilho.
Perco o chão.
Não me diga não.

Confusa.
Escusa.
Intrusa.
Não me iluda!

Sou como um peixe,
perdida
na imensidão do mar.
Devagar
a nadar.
Sem rumo,
nem prumo.
Fica difícil até sonhar.

Busco direção
num farol que se esconde.
Vejo as sombras das luzes
que brilham atrás dos montes.
Não há flores,
só espinhos.

Não há nada
que confirme.
Nado contra a correnteza.
Mergulho na incerteza.
Mas não deixo de amar.
Irresistível é continuar...

O dia certo há de chegar.
A palavra certa não tarda.
A certeza chegará.
Nuvens negras hão de passar.
As incertezas irão embora
e o sol voltará a brilhar!

PS: A Bíblia nos ensina que há tempo para tudo nesse mundo. 
Tempo para plantar, colher, amar, chorar, sorrir, afastar-se e voltar a aproximar-se!
O tempo hoje é de sorrir e de abraçar, de amar, de colher o que foi plantado com lágrimas, tempo de estar perto!
Dedico esse poema com muito carinho a minha amiga Sara Satie ♥
Porque é bom te sentir perto Sarinha!

Ana Cristina, 26/04/2012

sexta-feira, 20 de abril de 2012

DESASSOSSEGO



Emaranha-me em teus cabelos,
meu eterno desassossego.
Me irradia,
vem sem medo,
conte-me todos os seus segredos!

Vem depressa,
sem demora,
nosso tempo é agora,
nosso amanhã não há como prever.

Vivo o hoje!
Como o sempre,
como eterno...
Com você!

Me faça tocar estrelas.
Me queira!
Me tenha!
Me seja MEU.
Como TUA sou.

Sou menina,
mulher,
tua estrela e sereia...
Mergulhada na imensidão das águas
que me percorrem o corpo,

sedenta desse teu amor.

Ana Cristina, 20/04/2012

segunda-feira, 9 de abril de 2012

REPUGNÂNCIA DE UM INODORO HÁLITO


Tua inconstância constante,
suave veneno.
Teu brilho opaco,
ingrato,
eterno vazio.

Teu cheiro fede,
ferve,
perfeito excremento, 
tormento!

Tua alma sem alma,
padece na calma,
que emana teu ser.

Tua língua maldita,
ácida, ferina,
machuca meu ser.

Seu fulgor inocente,
sacana, demente,
insultas apenas,
o teu próprio ser.

Padeces,
na doce amargura do teu ser.



Ana Cristina, 10/04/2012

sábado, 7 de abril de 2012

SEREIA




Se em meu corpo passeias
sou tua sereia
amor sem igual


Ana Cristina, 07/04/2012

quarta-feira, 4 de abril de 2012

PRESSA



Viva sem dor.
Reinvente o amor.
Seja o que for,
seja aonde for,
ame!

Tenha esperança,
não seja criança,
seja mais você.
Não queira ser quem não é.

Eternize os bons momentos.
Sorria em meio a desalentos.
Acredite no amor.
Seja o que for,
seja aonde for,
ame!

Revele seus sentimentos.
Não desampare
quem precisar de você.
Não seja tola de perder
um bom momento.
Viva!

As coisas mudam
o tempo todo.
Os sentimentos verdadeiros não.
O que é eterno
é eterno dentro e fora de nós.

Viva com pressa.
Essa é a intenção certa!

Tenha pressa!
Pressa para amar.
Pressa para perdoar.
Pressa para sorrir.
Pressa para chorar.
Pressa para buscar sua paz interior.
Pressa para demonstrar tudo o que sente.
Tenha pressa!
Pressa para ser feliz.
Pressa para fazer alguém que te precisa feliz!

Seja o que for,
seja aonde for,
ame!

Ana Cristina, 04/04/2012 

segunda-feira, 2 de abril de 2012

INDIGNA-AÇÃO



Indignação...
É o que sinto.

Indignação...
Não quero gemidos!

Indignação.
Ache outro lugar.

Indignação.
Parta,
saia,
caia,
não valha,
navalha,
canalha,
na cara!

Indignação...
Não me corroas!
Indignação...
Não roa,
o resto da carne,
que ainda insiste em viver!

Indignação...
Qual o teu trabalho?
Acabar comigo em teu escárnio?
Sadismo!
Não sou masoquista!
Não!

Indignação...
Indigna,
cruel,
maligna,
putrefaz,
mosca sem asas!
Trevas!
Me afetas.

Indignação...
Suma.

Indignação...
Tempestade,
emoção,
“Negativas...”
meu coração!
Doente,
insípida,
Indign-Ação!



Ana Cristina, 03/04/2012

quarta-feira, 21 de março de 2012

"MEUS PROVÉRBIOS"



Não adianta esperar por algo
vindo de alguém que nada tem pra te dar.

Não adianta alimentar um sentimento lindo e puro,
mas, que só existe em seu coração!

Não adianta dizer todos os "sins"...
às vezes é preciso saber dizer não,
o não as vezes é bom, educador e curativo.

Quem ama tem que saber dizer não!
Quem ama também precisa dizer não!

Não adianta sonhar por você e pelo outro,
Sonhar sozinho não é alicerce para nenhuma construção que não seja a desilusão.

Não adianta amar demais ou amar por ambas as partes.
Amar assim é querer viver sempre sozinho,
frustrado e sentindo-se incapaz!

Amar pelo outro é pesado demais.
Amar duplamente é desgastante, conflitante, chega a ser delirante.
Adoece a alma e rebaixa tua autoestima.

Amar só se for a dois.
Amar "bom" é amar recíproco.
Se for assim, ame!

Não adianta apontar o dedo mirando os defeitos do outro,
sem esperar que um dia te apontem mirando o dedo também.
Se metes o dedo na ferida do outro, 
espere que metam o dedo na sua também.
Isso é só uma questão de tempo.

Se quiser isso pra você,
sente-se e espere.
Não tardará e o retorno logo virá,
mas garanto que não vais gostar!

Não adianta sentir-se o dono do mundo, o dono de tudo.
Você não é dono de nada, nem de ninguém.
Se quer podes ser o dono de sua vida sozinho.

Não adianta esperar por quem não vem.

Não adianta apagar erros e passados.
Eles farão parte de você sempre.
Use-os a favor de seu crescimento interno, externo, amadureça e floresça.

Não adianta fazer o bem esperando que te agradeçam.
Faça sem perspectiva de troca, assim você se frustrará bem menos.

Não adianta ser bom e justo da porta para fora de sua casa
se dentro dela és um bruto, ignorante e sem compaixão 
com os que convivem dia a dia com você.

Não adianta julgar o outro, achando-se acima do bem e do mal.
O julgamento ou pré julgamento que fazes hoje a alguém,
um dia chegará para você também!

Não adianta viver achando que sempre plantou sem nada colher.
Mesmo nos piores momentos, conseguimos colher algum bem.
Não é legal sermos sempre a vítima.
Ser assim só nos afasta das pessoas e das coisas boas.
Chame pra si alegria.
Sorria mesmo na dor.
Gestos assim atraem coisas boas.

Não adianta ornamentar a casa por fora,
se por dentro dela tudo está bagunçado e sujo.

Não adianta viver a dois e sentir-se um.

Não adianta comprar tudo que o mundo tem para oferecer,
se tiverem coisas que são gratuitas, porém imprescindíveis,
mas que jamais poderás ter como:
tua paz, teu caráter, tua dignidade ou respeito.
O dinheiro não compra amor, fidelidade, saúde e nem eternidade.

Não adianta viver sem ao menos "tentar" ser feliz
E que a tua felicidade independa de alguém sempre,
pois ela começa dentro de você, 
e da maneira em como você se vê com relação ao mundo e ao outro.

Não adianta viver e não sentir-se um eterno aprendiz.

A vida é uma eterna escola.
O tempo é o remédio pra tudo.

Ser flexível pode ser a cura de tudo!



Ana Cristina, 21/03/2012

terça-feira, 13 de março de 2012

MOTIVA-ME



Motiva-me
a vida,
a ser feliz,
e a dizer sim.

Motiva-me a 10!
Motiva-me a 100!
Motiva-me a 1000!

Motiva-me!

Motiva-me a crer
quando perco a esperança.
Motiva-me a manter
um sorriso de criança.

Motiva-me a sonhar,
conquistar,
caminhar sem recuar.

Motiva-me!

Motiva-me a lutar,
me dando força,
me dando amor.

Motiva-me!

Motiva-me a sentir-me única,
pois me tornas única no teu me ver.

Motiva-me!

Motiva-me a ser tua
porque já não sou minha.
Sou tua!

Motiva-me!

Motiva-me 
a estar contigo 
independente do perigo,
pois já não existe tempo ruim
desde que sou uma com você!

Motiva-me!

Motiva-me em mim...
Motiva-me quando estou em ti...
Motiva-me a ser eu...
Motiva-me a ser tu em mim...
Motiva-me a ser eu em ti...

Motiva-me!

Porque já não sou mais eu sem ti,
enfim...

Motiva-me!

Ana Cristina, 14/03/2012

quarta-feira, 7 de março de 2012

AÇOITE À MEIA-NOITE



A noite infindo açoite
corrói-me nas entranhas.
Solidão tamanha,
estranha,
me enganas
sob o peso que me lanças!

Murmúrios, gemidos e xingos,
porque enganar ao coração que amas?
Infâmia, tamanha,
suplício,
desperdício.

Como posso enxergar
se a minha visão ofuscas?
Como prosseguir
se encontro-me preso a ti?

Procuro respostas
e o silêncio me grita
o que não quero admitir.

Já não sei quem és para mim.
Também sei que não sou mais o mesmo em ti.
Mutação, frustração!

Enfadonho discurso à meia noite.
“Foi-ce!”
Devia voltar a dormir,
apagar e esquecer tudo aquilo
que me fez sofrer.
Quero um sono tranquilo,
um eterno amigo.
Alimento neste
a esperança de que amanhã,
ao despertar,
tudo novo
poderá recomeçar!


Ana Cristina, 07/03/2012

sábado, 3 de março de 2012

NAS NUVENS


A conheci de longe
tão meiga e terna.
Singela e bela,
era ela uma nuvem a passear pelo céu.

Às vezes tão perto,
destino incerto
lhe acometeu.

Cercada de cuidados,
sempre a fino trato,
esta nuvem cresceu.

A nuvem sofria,
outrora gemia,
a dor que então conheceu.

Mas nada a rendia,
pois ela sabia
que o soluço que a esvaziava
um dia se esvaneceria.

Menina, mulher, amiga.
Irmã, mãe, talismã.
Foi presente de Deus
pra mim e pros seus.

Em seus planos tantos sonhos,
muitos deles interrompidos.

Seu tempo foi pouco,
mas seu pouco se fez muito.
Pela intensidade que viveu,
Nas nuvens
passeava pelo céu,
semeando o amor no coração
de todos que a conheceu.

Deve ter se tornado verdadeiramente um anjo.
Deve continuar a voar pelo céu.

Em seus olhos cor de mel,
as janelas que se abrem para o céu.
Duas portas de esperança
num sorriso de criança.

Agora longe
mas ainda perto,
deve nos espreitar do céu,
passeando pelas nuvens.

Nas nuvens era um anjo.
De encanto e amor.
Verdadeiro esplendor.

Em nosso peito ficou a flor
da semente que plantou..
Em nós...
nasceu o amor!
E a saudades nos deixou.


Ana Cristina, 03/03/2012