Visualizações

domingo, 24 de novembro de 2013

Reticências...


E nada hoje é como um dia foi
não mais será...
não!

O amor se foi e com ele o sorriso.
E nada mais parece ser o mesmo.
Tudo mudou, muda sempre!

O amor vira desamor,
o que dorme desperta,
e o que estava acordado, agora dorme.

Inconstâncias da vida...
inconstância dos sentimentos sentidos
inconstância constante,
tudo é tão discrepante!

O apego desapega.
o amor desama
e como desama!
acontece tão rápido...
mais do que se imagina,
e até o ódio as vezes ama.
Surpresas da vida!

A ausência reclama
a presença também!
já não sei o que restou
se é que algo ainda ficou...
Só sei que a dor ainda dói.

Ficam apenas as lembranças de um amor,
que de tão quente evaporou,
sumiu... acabou!!!
Isso sim ficou... sobrou... findou o fim.
Fim!

E nada mais volta ao mesmo lugar,
o mesmo, mesmo sem mudar muda.
tudo acontece, muda estou.
silêncio...
silêncio que grita... suspira, agoniza...
silêncio que fica... suplica, replica
amor que morre não ressuscita!

O que se conhecia hoje é estranheza,
Aspereza, frieza, vazio, espinho
machuca com tristeza
a bondade e a doçura foram sufocadas.

Cartas claras não colocadas a mesa
vomitadas agora estão,
não são claras, são escuras...
mas de tão escuras brilhantes são,
claridade fosca, claridade escura,
chega a ser tosca!
Que verdade então?

"O tempo passa devagar,
já nem sei quanto tempo mais..."
melodia antiga
desprezada e sofrida...
mentira e enganação,
pois o tempo passa rápido
tão rápido que nos pega na surpresa
e que surpresa!
"A noite é muito longa,
sempre te encontro nos meus sonhos..."
Ainda sonho... mas já não tenho sonhos!

E nada mais é como um dia foi...
cobranças, lembranças...
lembranças não passam de lembranças,
de tudo aquilo que no todo
e na vontade de ser não foi...
fracassou! foi! acabou!

E nada mais se parece o mesmo
nem você, nem eu mesmo sendo, sou...
já não somos, mas fomos!
fomos?
não somos mas nós,
mas você ainda é você...
eu ainda sou... eu!

Estranhos e tão íntimos,
velhos conhecidos,
estranhos e não amigos!
Nem é pai, nem mãe, nem homem, nem filho, não mais amante,
nem sequer amigo...
não é mais nada,
não há talvez...
não há...
Não!

E nada mais parece ser o mesmo
e é tão difícil aceitar.
Do colorido tão bonito de ontem,
hoje só restam as cinzas.

Pequena, restrita, inflamável e mortal
foram as palavras que ecoaram da tua escrita...
Foi o veneno que escorreu da tua língua infernal e maldita.
Sim... "malDita!"
Pecado capital,
espaço nada sideral
sobrevoando minha mente, meu coração agora descrente.
Já não mais inocente...
Sobrevoando sem nave espacial
viajado e confuso como esse texto desnudo
que talvez só eu entenda...

É o gelo glacial que congela meu bater
meu pulsar, meu viver
é o que caleja minh'alma
que já não vê... e não tem...
motivo algum para viver sem você...
...

Ana Cristina 24/11/2013

3 comentários:

  1. PAZ MINHA LINDA,AMEI VISTAR SEU BLOG ELE É 100% Beautiful, Bjão da Tia Eva Educa.Saudade ...

    ResponderExcluir
  2. Amei seu blog minha linda ele é 100% Beautiful ,Bjão da tiaevaeduca,blogspot.com

    ResponderExcluir